Reforma Protestante

Reforma Protestante

No dia 31 de outubro de 1.517, século XVI, o monge agostiniano e professor de teologia germânico, Martinho Lutero, afixava à porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, na Alemanha, as chamadas 95 Teses. Iniciava-se assim o movimento histórico, religioso e social denominado popularmente como “A Reforma Protestante”.

As teses, que eram escritas em latim, destinavam-se a suscitar debates e discussões entre os acadêmicos locais, a respeito de temas ali propostos. O dia 31 de outubro era véspera do dia de “todos os santos”, a saber, dia 01 de novembro, quando milhares de peregrinos saiam das regiões próximas, e iam para Wittenberg com o intuito de comemorar o feriado do “dia de todos os santos” e “finados”, nos dias 01 e 02 de novembro, respectivamente. Naquela época, era costume afixar nos lugares públicos os avisos e comunicados importantes. Assim, Lutero aproveitou a oportunidade e, através de suas teses, combateu doutrinas romanas como as indulgências, purgatório, salvação por obras, papado, entre outros.

Ao elaborar suas teses, e expô-las, Lutero, a princípio não pretendia causar a revolução que ocorreu logo em seguida. Na verdade, como um monge e professor de teologia, estava legitimamente preocupado com os ensinos errôneos que eram apregoados nos seminários cristãos e encontros religiosos de sua época, e, portanto, pretendia levar uma reflexão e consequentemente, uma mudança dos ensinos alienantes, com fins obscuros, distante das verdades Bíblicas. Entretanto, os efeitos do ato de Lutero não somente causaram o desejado debate acadêmico, mas estremeceram os alicerces de toda a cristandade medieval. A repercussão foi tão grande, que as teses foram traduzidas do latim para o alemão, e em poucas semanas se espalharam por toda a Alemanha e boa parte da Europa. Logo, como uma obvia consequência, uma cópia do documento chegou às mãos do arcebispo local, que as enviou a Roma.

No ano seguinte, 1.518, Lutero foi convocado para ir a Roma a fim de responder à acusação de heresia, mas recusou ir. Posteriormente, foi entrevistado por seus superiores regionais, mas quando questionado, manteve suas convicções intocáveis. Em 1.519, participou de um debate em Leipzig, onde defendeu calorosamente que os papas não eram infalíveis e estavam suscetíveis ao erro, assim como qualquer ser humano. Deste modo, por contrariar todo sistema religioso romano de sua época, em 1.520, o Papa Leão X enviou a Lutero uma bula papal dando-lhe sessenta dias para retratar-se ou ser excomungado. O prazo para a resposta final foi expirado em 10 de dezembro de 1.520, dia em que Lutero, juntamente com os estudantes e professores, em um ato de afronta a autoridade papal, queimaram a cópia da bula juntamente com os volumes do Código de Direito Canônico em praça pública. No início de 1.521, foi publicada a bula de excomunhão de Lutero. A partir de então, em toda Europa começaram a eclodir movimentos de independência da cristandade, emancipando-se da Igreja Católica Apostólica Romana.

No tempo de Lutero, a igreja tinha perdido de vista o evangelho do nosso Senhor e salvador Jesus Cristo, isto porque encobriu as Escrituras com camadas e camadas de tradição, igualando a viva Palavra de Deus com as tradições religiosas adquiridas com o tempo. Isto produziu uma religiosidade exacerbada tendo como efeito a alienação dos fieis, em um sistema de obras, compras de favor Divino e meritocracia no Reino de Deus. O poder eclesiástico se achava concentrado no papado, sediado em Roma. Além da influência religiosa, a igreja romana também possuía um vasto poder político em seus países. Com exceção do clero, a grande maioria da população não conhecia a Bíblia, somente histórias, leis, jejuns, regras de penitências e missas. Os cristãos viviam em estado de submissão e alienação cega. Não à toa, a Idade Média é denominada pelos historiadores como Idade das Trevas.

Martinho Lutero, que se debruçava inesgotavelmente na leitura Bíblica, procurando respostas para a salvação por obras, visto que ele mesmo não encontrava respaldo em suas obras para merecer a salvação divina, na biblioteca do convento, de posse de uma velha e empoeirada Bíblia latina, leu que o “justo viverá da fé”. Essa foi à fagulha necessária para incendiar o coração de Lutero contra todas as doutrinas equivocadas apregoadas pela Igreja Medieval.

A Reforma Protestante marca o retorno da Igreja Cristã para Palavra de Deus. Nela, e somente nela encontramos nossa única autoridade de fé e de vida. Doutrinas gloriosas e sagradas como a justificação pela fé, somente através de Cristo, pela graça, para a glória de Deus, revelada nas Escrituras, foram redescobertas na Reforma. Em sua tese de número 62, Lutero descreve com clareza que “O verdadeiro tesouro da Igreja é o Santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus”. A mensagem principal da Igreja Cristã é o evangelho. Ele é o tesouro que a Igreja deve guardar e anunciar para todos os povos.

Esse é o memorial que nunca deve sair dos nossos olhos, e que precisamos diariamente relembrar. Os pilares da Reforma, Sola Gratia (Somente a Graça), Sola Scriptura (Somente as Escritura), Sola Fide (Somente a Fé), Solus Christus (Somente Cristo) e Soli Deo Gloria (A glória somente a Deus), devem ser o brado de uma Igreja que pretende viver o sentido real de uma cristandade verdadeira.

Uma “Ecclesia reformata et semper reformanda est” é uma Igreja reformada, sempre se reformando. O trabalho não acabou. Ainda há muito a ser feito. Vivemos em um tempo onde a igreja encontra-se em um frenesi de misticismos, idolatria e sentimentalismo barato, onde a vontade humana e as emoções têm sobrepostos às verdades Bíblicas. Assim como no final da Idade Média, hoje, na Pós Modernidade, a igreja também precisa ser reformada. Precisamos voltar às doutrinas da graça, e tratar as Escrituras Sagradas como a carta régia e regra objetiva da fé e prática cristã.

Por Isaías Fernandes

2 comentários sobre “Reforma Protestante

  1. Henrique de Jesus disse:

    Top demais , que possamos voltar os nossos olhos para Jesus , seguirmos as sagradas escrituras.

  2. Igor Vasconcelos disse:

    ” … é uma igreja reformada, sempre reformando.”
    Glória a Deus pelo site ! Que haja alcances que jamais imaginávamos … Jesus abençoe esse projeto de Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *